Terrores Nocturnos

Cada vez que a pequena Nônô é super estimulada e não dorme a sesta, fica mega cansada. E quando isto acontece, a maioria das vezes, tem terrores nocturnos. E hoje não foi excepção! 
Passado algum tempo depois de se ter deitado, ouço um grito de pânico, claro que corri para o quarto e quando lá chego, vi logo o que se tratava! Pois que a encontro sentada na cama, a espernear, como se estivesse a lutar com mil monstros invisíveis e aos gritos. Completamente possuída, tipo filme do exorcista, MESMO! até os olhos abertos tinha. Claro que, mesmo sabendo que se trata de um terror nocturno e saber que não há muito a fazer, apenas esperar que passe, fico angustiada de ver a minha pequenina assim. E, depois, de ali ficar, minimamente a controlar a coisa, para que não caia da cama ou se magoe, segundos depois aquilo termina e ela volta a deitar-se, sem nunca acordar e como se nada tivesse acontecido. 
Já encontraram os vossos pequenos numa situação destas?



Os terrores nocturnos aparecem entre os 3 e os 6 anos de idade e acontecem na primeira ou segunda hora depois de adormecerem, onde o período de sono é mais longo. E o que acontece é um despertar abrupto acompanhado de sinais de ansiedade intensa (como no caso da Nônô) e podem durar desde alguns segundos até 10 minutos.
O que fazer? Nada! Não vale a pena acordar a criança, eu sei que  o coração fica do tamanho de uma migalha ao vê-la naquele estado mas, o mais importante é saber que, ela não está a sentir medo e não se vai lembrar de nada. Por isso, o melhor é apenas vigiar, para que não caia da cama ou se magoe, e quando passar vai voltar a deitar-se e adormecer. Se são daqueles que não conseguem ficar a assistir sem fazer nada, então falem muito baixinho e calmamente ou cantem uma canção de embalar, vão ver que ficam mais calminhos! 
Não existe grande forma de prevenção, embora uma boa rotina de sono possa ajudar. Um aspecto importante é tentar evitar a fadiga extrema, pois esta interfere com o sono profundo e pode aumentar o risco de surgirem estes episódios. 
Ahhh... e outra coisa, os terrores nocturnos não são a mesma coisa que os pesadelos e, apesar do nome ser mais assustador,  são inofensivos. 

Boa Noite!

4 comentários:

  1. A minha filha mais nova quando tinha mais ou menos 4 anos tinha algumas vezes terrores nocturnos.
    Era simplesmente horrível.
    Eu desesperava ao vê-la gritar de olhos abertos, e eu sem saber o que fazer.
    Nunca mais esqueço o meu pânico ao vê-la assim.
    Parecia mesmo que estava a ver um filme de terror. Acho que só compreende o que quero dizer, quem já passou por isso.
    Era uma criança muito activa, que nunca parava um segundo e eu desesperava para a adormecer todas as noites.
    Felizmente passou e nunca mais aconteceu, e hoje em dia é uma miúda super calma e muito equilibrada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Ana!
      Realmente para a maioria dos pais é muito angustiante ver os pequenos assim. Mas há que ter em mente que são inofensivos.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Olá
    A minha filha teve um episódio desses aos 6/7 meses. É possível ter sido um terror noturno? Encaixa-se no que descreveu, ao início da noite, num dia em que não tinha dormido de dia. Ela estava deitada ao meu lado e começou a berrar e espernear, eu tentei acalma-la mas não consegui. Já ponderava ir com ela ao hospital quando parou de repente e continuou a dormir calmamente. Aí achei que teria sido um pesadelo. Podem os terrores nocturnos ter lugar tão cedo?
    Obrigada
    Joana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!
      Pelo que descreve parece ter sido um episódio de terror nocturno. Embora não seja comum em idades tão precoces, não é, de todo, impossível de acontecer. As crianças não são todas iguais, nem em parâmetros de desenvolvimento. Assim como existem bebés que já nascem com um dente, pode dar-se o caso de a sua pequena ter tido um terror nocturno.
      Beijinhos

      Eliminar