Sleepy time


Ao longo destes meses já falei de vários temas relacionados com o sono (aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

A maioria dos pais deseja que o seu filho durma bem, mas conseguir que o pequeno aprenda a dormir sozinho ou que consiga dormir a noite toda, para muitos é quase como subir o Everest. Há até quem prefira subi-lo ao invés de passar todas as noites pelo mesmo suplicio.
A verdade é que fazer com que os pequenos tenham um sono descansado requer grandes doses de paciência e persistência. Por vezes também é preciso ser inflexível em algumas situações mas, sim é possível. Qualquer um de nós com as "ferramentas certas" poderá ensinar o "pequeno terrorista" a dormir. Sim, eu disse ensinar. A menos que hajam patologias ou distúrbios neurológicos, somos nós os responsáveis pelo sono dos nossos pequenos. E sim, eu sei, que há quem não concorde, mas adiante... também somos nós que podemos condicionar e proporcionar boas noites de sono desde o berço. Porque quanto mais cedo o fizermos, melhor será para todos e garanto-vos que terão uma criança mais bem disposta, tranquila e feliz.

E quais são as "ferramentas certas"? 
Para vos facilitar o trabalho, recentemente descobri a Filipa, o "anjo" que veio socorrer todos os papás e bebés que estão a ter dificuldade nesta tarefa. A Filipa é Especialista em Ritmos do Sono em bebés e crianças. A sua formação em Treino do Sono pela Universidade de Reading, no Reino Unido, permitiu-lhe desenvolver diferentes métodos e abordagens que garantem resultados eficazes em bebés que apresentam problemas/desajustes nos hábitos de sono.

E o que é que a Filipa faz mesmo?
Como terapeuta do Sono ajuda os bebés (e pais) a conseguirem ter noites tranquilas e reparadoras promovendo comportamentos que, de acordo com a idade e evolução do bebé, têm uma influência extremamente positiva no seu sono. Assim, desenvolve um trabalho nas seguintes vertentes:
  • Iniciação aos bons hábitos de sono nos bebés (0 aos 3 meses)
  • Desenvolvimento de bons hábitos nos bebés (3 aos 6 meses)
  • Aplicação de técnicas de treino do sono (a partir dos 6 meses)
  • Principais obstáculos a uma boa rotina de sono 
  • Metodologias a aplicar com gémeos ou várias crianças no mesmo quarto
  • Problemas menos comuns do sono - terrores nocturnos, apneia do sono e “head banging”

Não acredidam? Não neguem à partida uma ciência que desconhecem. Experimentem!!!

A Filipa está aqui


2 comentários:

  1. Olá. A mostarda chega me sempre ao nariz quando oiço alguém falar na culpa dos pais quando as crianças dormem mal. É que para pais que estão no desespero (como eu já estive) essa afirmação só serve para trazer sentimentos de culpa e de incompetência, nada necessários a quem se vê a braços com a privação de sono.
    No meu caso pessoal, conseguia identificar tudo o que precisava ser corrigido. Mas a teoria é mas nem sempre se consegue por em prática. Teria sido óptimo se o meu filho de 2 anos não tivesse deixado de dormir sozinho, como sempre fizera até ao nascimento do irmão(chorava até vomitar se ficasse sozinho no quarto). Teria sido óptimo se eu não estivesse sozinha com os 2 a fazer todas as rotinas (quais rotinas) ao final do dia : banhos, jantar, gerir birras, amamentar adormece-los ) teria sido óptimo se eu tivesse mais um quarto e não tivesse prolongado a estadia do bebé no meu quarto (e a solução foi trazer o mais velho para o nosso quarto e por o bebé sozinho para poder chorar à vontade, de 2 em 2 horas até perdera mania); teria sido óptimo que o segundo filho fosse come e dorme só porque sim (como muitos são) e não um chorão de primeira.

    ResponderEliminar
  2. Olá!
    Lamento que tenha passado por todas essas dificuldades, por ter sentimentos de culpa ou incompetência. Não posso dizer o que as pessoas querem ouvir, ou aquilo que as faz sentir melhor em deterimento das mais variadas circunstâncias. Tenho de dizer a verdade (gostem ou não). Sei perfeitamente o que é ensinar os miúdos a dormir e quais as dificuldades. Também eu o fiz. Ensinei a mais velha a dormir, depois quando o irmão nasceu (tinha ela 2 anos e meio) também eu tive que ensinar o mais pequeno e re-educá-la, e quando (com 6 meses) ele foi para o quarto dela, também eu tive a maior paciência do mundo para fazer com que adormecessem juntos, mesmo com choros, birras e tudo, e tudo e tudo. Até quando o pai se ausentou 2 meses e fiquei sozinha com eles. Basicamente, também passei por tudo o que descreve e estou consigo, não contra si. Porque se eu consegui acredito que também consegue.
    Beijinhos

    ResponderEliminar