Mais vale prevenir... Acidentes com animais

Lembram-se deste postPois é, "Mais vale prevenir... Acidentes com animais", vai ser o primeiro de muitos.

A mordidela de cão é a lesão mais frequente causada por animais em menores de 15 anos. Na maior parte dos casos, o cão pertence à família ou a alguém próximo e acontece enquanto a criança brinca com ele.

Cuidados a ter com os cães
  • Ao comprar/adquirir um cão o mais importante é avaliar o carácter do animal e certificar-se de que está habituado a crianças. O melhor mesmo é que seja um cachorro com menos de 3 meses
  • A sua relação com a criança deve ser de submissão. Desde o primeiro dia, tem que saber qual é o seu lugar, por onde pode e não pode andar, qual é a sua comida...
  • O adestramento do animal deve ser acompanhado de estímulos positivos, como carícias e recompensas, nunca gritos ou pancadas.
  • Quando nasce uma criança numa casa onde já há um cão, convém prestar muita atenção à atitude do animal, sobretudo durante os primeiros dias e quando o bebé começa a gatinhar (o cão pode vê-lo como um concorrente).
  • Temos que ensinar à criança que antes de tocar num cão desconhecido, tem de perguntar ao adulto que o leva se o animal gosta ou não que o acariciem.
  • Quando o cão está assustado, o melhor é não se aproximar dele, pois poderia agir de forma agressiva.

Cães e gatos

Arranhões 
1. Lavar a gerida com soro fisiológico ou com água e sabão
2. Passar-lhe, com suavidade, uma solução de iodo

Ferida profunda ou com hemorragia
1. Lavá-la com soro fisiológico ou com água e sabão e cobri-la com uma gaze
2. Levar a criança ao médico. É provável que nos peçam o boletim de vacinas da criança e o do cão ou do gato, e que nos recomendem ficar alerta durante cerca de dez dias, para o caso do animal ter alguma doença

Se é vadio ou desconhecido
Depois de limpar o arranhão ou a ferida, é obrigatório ir ao médico. Se ele considerar necessário, por pensar que se trata de um animal perigoso, dará conhecimento do facto ao responsável de saúde pública local, que solicitará que se capture o animal para verificar se é ou não saudável.

O médico analisará se é necessário suturar a ferida e prescrever antibióticos

Actualmente, não há grande perigo de raiva. Esta é uma doença grave, transmissível aos humanos normalmente pela mordedura dos cães e gatos não vacinados. A vacinação dos animais é absolutamente obrigatória, embora a doença esteja erradicada no nosso país.



Animais selvagens (morcegos, raposas, etc.)

 


1. Limpar a ferida com soro fisiológico ou com água e sabão
2. Cobri-la com uma gaze e ir ao médico. É importante indicar com exactidão qual foi o animal que atacou.






Embora seja menos frequente, as crianças também podem ser atacadas por répteis ou por animais marinhos. O principal é manter a calma pois, geralmente, costumam tratar-se de lesões leves.


Animais Marinhos

Urticantes: medusas e anémonas
1. Lavar a zona com água do mar
2. Não esfregar a lesão porque a substância urticante pode espalhar-se
3. Aplicar compressas de água quente (mas não fervendo), que desnaturalizam as toxinas causadoras da comichão
4. Se a comichão persiste, podem por-se compressas de água fria

Se, apesar destes cuidados, a criança continua a queixar-se, aplicam-se compressas frias e dá-se-lhe o analgésico habitual para acalmar as dores.




Pungentes: peixe-aranha, raia, ouriço, estrela do mar,...
1. Lavar a ferida com água do mar
2. Colocar compressas quentes e tirar os espinhos com uma pinça, nunca apertando
3. Se a criança se queixa de dor, aplicar compressas frias e dar-lhe o analgésico habitual






Que mordem: Safio, moreias, etc.
1. Lavar a ferida com água do mar
2. Cobri-la com uma gaze e levar a criança ao médico





Serpentes



Cobra
Tem a cabeça arredondada e os olhos e as pupilas circulares. Ao morder deixa um sinal na pele em forma de parêntesis. É a marca da sua mandíbula, com vários pontos dos dentes. 
Não é venenosa: apenas há que lavar a ferida com água e sabão e passar uma solução de iodo.





Víbora
De cabeça achatada e triangular as suas pupilas são como as do gato e as suas escamas formam um desenho em ziguezague. O seu veneno causa uma dor intensa, que vai subindo pelo corpo. Se o pequeno é alérgico, pode sofrer problemas respiratórios. 
Evitar que a criança mexa, sobretudo o braço ou a perna onde a víbora mordeu. 
Deve lavar-se a ferida com água fresca e sabão. Nunca aplicar gelo. 
Há que ir ao hospital imediatamente e levar a serpente se se conseguiu apanhar. 
Não tocar na ferida. Uma incisão ou torniquete poderiam piorar as coisas




6 comentários:

  1. Uma questãozita.. porque é que é necessário levar a serpente ao médico, no caso da picada de uma víbora?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Pipa!

      É por uma questão de identificação, pois há uma série de serpentes venenosas. Isto facilita o trabalho do médico em actuar de forma rápida e mais eficaz de acordo com o animal que atacou. Também serve para a cobra ou insectos (desses falarei mais à frente)

      Beijinhos

      Eliminar
    2. Nas serpentes venenosas (víbora, por exemplo) o tratamento é por soro antiofídico. O soro deve começar a ser aplicado, de preferência, na primeira meia hora depois do acidente. Existem vários tipos de soros antiofídicos, um para cada tipo de serpente.

      Eliminar
    3. Muito interessante Olga. Aproveito por dar os Parabéns pelo blogue, conheci há pouco e gostei muito. ; )

      Eliminar
  2. Muito útil Olga. A minha Fada dos Animais é doida por bicharada... onde está um bicho lá está ela a querer mexer... nem sempre é fácil fazer-lhe ver que, mesmo sem querer, a podem magoar. Gostei da dica do soro fisiológico. Vou passar a a andar com uns frasquinhos na mala just in case... não se vá dar o caso de não haver água por perto.
    beijinhos*

    ResponderEliminar