Os primeiros dias de escola

Este post surgiu a pedido de algumas mães do grupo babybummmmm que estavam com alguma dificuladade em lidar com os primeiros dias de escola dos mais pequeninos. Espero que seja útil e que ajude, pequenos e pais, a passar estes dias de uma forma mais tranquila.


A ida para o infantário é um momento complicado não só para os pequenos, mas também para os pais, que muitas vezes ficam com um sentimento de angústia por deixarem os filhos a chorar. Este sentimento é natural, uma vez que passaram tantos meses juntos e distanciar-se dos pequenos, ainda que temporariamente, dói. O coração fica mínimo. E, bem lá no fundo, ainda não existe uma total confiança com as educadoras. Nas nossas cabeças pensar que ele vai sobreviver sem o nosso olhar atento parece pouco provável, não é? Mas pais, por favor, dominem a ansiedade, afinal de contas este momento é uma marco muito importante e uma grande aprendizagem para TODOS! Tenham em mente que vai fazer bem a ambos. Os pais poderão voltar a trabalhar ou ter mais tempo para fazer coisas que estando com eles era impossível. E os pequenos vão crescer com a experiência, pois conhecer e socializar com outras crianças e adultos é muito benéfico e faz parte do desenvolvimento.

A escola deve ter um papel muito importante na fase de adaptação e as educadoras, na maioria das vezes, têm um "faro" muito apurado para detectar as mães que podem dar mais trabalho que os filhos. Para as mães que não precisam ou não vão logo trabalhar existe a possíbilidade de fazer um adaptação gradual, onde o tempo de permanência das crianças vai aumentando. A maioria consegue adaptar-se sem problemas, acabando por passar alegremente para o colo das educadoras na hora da despedida. Este comportamento não deve gerar sentimentos de rivalidade por parte dos pais, pois significa que a criança estabeleceu uma relação com elas. O trabalho das educadoras não é o de substituir emocionalmente os pais e é desejável que a criança desenvolva laços afectivos positivos.

As crianças são muito sensitivas. Estar inseguro, ansioso ou preocupado só vai fazer com que tenham dificuldades em se separar e adaptar ao novo meio ambiente. Na hora de deixar o pequeno ele vai observar atentamente a sua atitude na procura de alguma referência sobre como se deve comportar. O pensamento da criança é "porque é que estás assim, se me vens buscar logo?". Uma mãe que mostra lágrimas ao deixar o pequeno na escola está a sinalizar que algo doloroso vai acontecer com ele. Aqui a dica é tentar controlar os seus sentimentos e passar boas vibrações e segurança. Quanto mais tranquilos e naturais os pais se mostrarem, melhor para a criança.

E se é o pequeno que chora? O choro na altura da separação é frequente e não significa, necessariamente, que ele não quer ficar na escola. Da mesma forma que a ausência de lágrimas não quer dizer que não tenha sentido a separação. Devemos deixar a criança sempre no colo de alguém conhecido (a educadora) e tentar confortá-la e reforçar que a escola é um lugar muito bom, seguro, tranquilo, onde se poderá divertir e fazer amigos, que a educadora é amiga e carinhosa. Não fique muito tempo na sala ou a despedir-se interminavelmente e quando sair, não volte atrás, por muito que lhe custe, isso só irá reforçar a insegurança.

Não ofereça recompensas, pois o pequeno deverá encarar a ida para a escola como algo natural na sua vida. Diga-lhe quem o irá buscar (você, o pai, a avó,...). Assim vão ganhando confiança e evita birras na hora de o ir buscar. Quando chegar esse momento pergunte pelas novidades do dia (o que fez, com quem brincou, se aconteceu alguma coisa,...). Mostre-lhe que a mudança de rotina será muito benéfica.

A ida para a escola é um acontecimento importante na vida dos nossos filhos. É o primeiro rumo para a independência em relação aos pais. É a construção de um espaço próprio, que marcará o caminho para o seu futuro. E para nós a constatação de que aquele bebé está a crescer e a tornar-se cada vez mais independente.


O REI VAI NU também está no FACEBOOK e INSTAGRAM

Sem comentários:

Enviar um comentário